aviao_agricolaebc_9_6_19
03/10/2019 18:10 • Notícias
Registrados novos 10 defensivos agrícolas

Os produtos são biológicos e orgânicos e foram publicados hoje no Diário Oficial

O Ministério da Agricultura publicou nesta quinta-feira (3), no Diário Oficial da União, o registro de 10 defensivos agrícolas biológicos e orgânicos, com uso para agricultura orgânica e também na tradicional. Tratam-se de novas opções para o controle de importantes pragas. Com esta nova lista chega a 24 o número de produtos deste segmento registrados este ano.

Entre os novos registros estão dois produtos inéditos no Brasil: um é a base de Heterorhabditis bacteriophora, que combate a larva-alfinete na batata. O segundo a base de Hirsutella thompsonii, que é usado para combater o ácaro rajado, praga que ataca culturas como soja, feijão, milho e algodão, além de frutas como morango, maçã, pera, uva, maracujá, melancia, abacaxi e cacau.

Outro destaque são dois produtos com uma mistura de quatro baculovirus, que são vírus que atacam o sistema digestivo de lagartas, e um à base de uma mistura de três organismos microbiológicos para controle de nematoides.

Estes produtos são recomendados apenas para pragas, podendo ser utilizados em qualquer cultivo agrícola, podendo substituir outros de origem química. No ano passado a produção de produtos biológicos para controle de pragas e doenças agrícolas cresceu mais de 70% no Brasil.

Além dos defensivos biológicos e orgânicos, foram publicadas hoje as concessões de registros de 41 produtos genéricos, aqueles que ajudam a aumentar a concorrência no mercado e diminuir os custos.  Do total de produtos registrados em 2019, 359 são produtos genéricos e 23 são à base de ingredientes ativos novos de origem química ou biológica.

Outros seis defensivos que tiveram as concessões de registro publicadas hoje são produtos formulados com base em ingredientes ativos novos. Entre eles, os produtos formulados à base do ingrediente ativo Dinotefuram, que poderão ser usados nas lavouras para combate a insetos sugadores como percevejos e mosca branca. Os produtos formulados à base deste ingrediente ativo terão restrições quanto a dose máxima permitida e proibição de uso no período de floração dos cultivos, restrições estabelecidas pelo Ibama para a proteção de insetos polinizadores.

Com a publicação de hoje, chega a 382 o número de registros concedidos em 2019, sendo 214 produtos técnicos, ou seja, destinados exclusivamente para o uso industrial.

Outros 168 são produtos formulados, ou seja, aqueles que já estão prontos para serem adquiridos pelos produtores rurais mediante a recomendação de um engenheiro agrônomo.

Destes, 24 são produtos biológicos e/ou orgânicos. Cerca de 48% de produtos formulados autorizados não são efetivamente comercializados, por uma decisão das empresas detentoras dos registros.

Fonte: Agrolink