algodao
05/09/2019 18:00 • Notícias
Novidade pode ajudar os produtores de algodão diante da seca

Os Estados Unidos são o principal exportador de algodão do mundo, com uma indústria estimada em gerar mais de US$ 21 bilhões em produtos e serviços por ano. A seca e as mudanças climáticas estão afetando a safra. Portanto, os cientistas de Boston estão cultivando algodão nos laboratórios para desenvolver novas maneiras de reduzir o estresse ambiental.

"Praticamente todas as principais culturas nos EUA e no mundo correm um risco significativo às mudanças climáticas, e o algodão não é exceção", disse Geoffrey Von Maltzahn. Ele e sua equipe em uma startup chamada Indigo dizem que desenvolveram uma inovação: sementes resistentes à seca.

"O estresse hídrico e a seca no algodão é o estresse mais importante na agricultura que quase não tem soluções hoje", disse Von Maltzahn. "Notavelmente, a natureza encontrou um monte de soluções para isso no microbioma". A Indigo descobriu quais de uma planta de algodão lidam com o estresse hídrico. Eles então revestem as sementes com esses micróbios específicos, para torná-las mais resistentes em condições secas.

"Isso nos permitiu cultivar algodão que é mais capaz de suportar o estresse que uma planta experimenta com uma certa quantidade de restrição hídrica", disse Von Maltzahn. Eles dizem que sua metodologia é mais natural do que sementes geneticamente modificadas e produzidas em massa. As plantas são expostas a temperaturas abrasadoras nas salas de cultivo e depois testadas nos campos quentes.

Mais de um século e meio atrás, o algodão dominava a agricultura no sul da América, primeiro escolhido por gerações de escravos e depois colhedores. Mas muitos agricultores abandonaram o algodão por causa dos baixos lucros e condições desafiadoras.

Fonte: portaldoagronegocio