presidente_da_abrapa_milton_garbugio
Para o presidente da Abrapa, Milton Garbugio, os produtores sequer têm ganho real com o patamar atual de preços, na comparação entre dólar e real por quilo
16/11/2020 15:50 • Notícias
A convite da Abrapa, cadeia têxtil debate entraves do câmbio e imprevisibilidade de planejamento

Uma reunião inédita, colocou na mesma "sala" virtual, alguns das maiores marcas da indústria têxtil e do varejo nacional, e representantes de toda a cadeia produtiva têxtil e de confecções, a convite da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), na manhã desta sexta-feira (13/11). Aproximadamente, 70 pessoas participaram do encontro, que teve por objetivo esclarecer dúvidas, e pôr fim a rumores de que haveria um déficit de pluma no mercado, que, além de dificultar as operações na indústria, está acarretando preços mais altos para o consumidor final. As queixas veiculadas em diversos veículos de imprensa são acerca de um suposto desabastecimento de algodão, e de aumentos de preços, após o afrouxamento das medidas de combate ao coronavírus no Brasil, a partir de setembro.

Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea), e Bolsa Brasileira de Mercadorias (BBM) foram algumas das entidades presentes, que ajudaram a mobilizar as empresas e marcas, muitas das quais parceiras do movimento Sou de Algodão, para discutir a safra 2019/2020, em relação a preços, disponibilidade de algodão no mercado, logística e perspectivas futuras.

A Abrapa explicou as relações entre a oferta e a demanda de algodão, com os principais indicadores atuais e a previsão. A safra 2019/2020, que está sendo comercializada, totaliza, segundo a Conab, três milhões de toneladas. A exportação do ciclo 2020/2021 – ainda não finalizada – representou, entre agosto e outubro deste ano, cerca de 509 mil toneladas de pluma, e o previsto é que seja concluída com dois milhões de toneladas, o que gera estoques finais da ordem de 776, mil toneladas.

"Considerando que a indústria têxtil brasileira, antes da pandemia, consumia em torno de 750 mil toneladas da matéria-prima, o que podemos dizer é que não há qualquer chance de faltar algodão ou necessidade de importar pluma", explicou o diretor-executivo da Abrapa, Marcio Portocarrero, em sua apresentação.

Mas as queixas da indústria sobre desabastecimento, esclarecidas na reunião, têm a ver com a falta de estoques de fios de algodão e tecidos – planos e malhas – para dar conta do aumento acelerado do consumo, quando o comércio novamente abriu as portas.

De acordo com Sergio Benevides, coordenador do comitê de algodão da Abit, "a indústria precisa fazer o seu dever de casa, planejando comprar algodão com antecedência. Diante da impossibilidade de prever o câmbio, nosso único caminho é comprar das tradings. Quem não se planejar, vai ficar sujeito a comprar no mercado spot, pagando o preço do dia. Tudo é uma questão de se preparar. Algodão sempre vai haver", afirmou.

O consenso entre os presentes é de que a indústria, em geral, pratica o chamado "da mão para a boca", com estoques reduzidos e fornecimento baseado no suprimento da demanda de curto prazo. "O Brasil tem o algodão mais barato do mundo, em função do nosso basis. A questão é o câmbio que subiu muito", pontuou o industrial Ivan Bezerra de Menezes.

Para o presidente da Abrapa, Milton Garbugio, os produtores sequer têm ganho real com o patamar atual de preços, na comparação entre dólar e real por quilo.

"Para fabricar uma camiseta, consome-se entre 100 a 150 gramas de algodão. Já para uma calça jeans, 450 gramas. Portanto, o que está onerando o custo não é o algodão. Uma camiseta sai, contando só o algodão, a R$1,91, e uma calça jeans custa, em termos da matéria-prima, R$3,57. Não dá para culpar os preços da commodity quando a gente vê esta relação", ponderou Garbugio.

"Ficou claro que o problema não é a oferta de pluma e, sim, a questão cambial e a falta de planejamento das fiações, em função da imprevisibilidade da Covid-19. Afinal, ninguém faz roupa de capulho de algodão. Primeiro, se faz o fio, depois, o tecido e, por fim, a roupa. Colhemos sucessivas safras recordes, teremos estoques de passagem e, definitivamente, algodão não vai faltar. O câmbio não somos nós, produtores, que definimos. Se as indústrias estão sofrendo com a situação cambial do país, com o dólar alto, os produtores também estão tendo o mesmo problema, pois 70% do custo de produção do algodão nas lavouras têm os insumos cotados em dólar", finalizou Marcio Portocarrero.

Fonte: Abrapa